Domingo, 5 de Outubro de 2008

O ensino era para os que podiam e queriam, agora, é para todos, quer queiram quer não, do apuro da melhor colheita passou-se à extracção de vinho de toda a casta, até o humilde vinhateiro teme pelo resultado. O ensino que na diversidade oferecia escolha aos alunos, tratando desigualmente o que era desigual (a verdadeira igualdade) com Liceus, Escolas Técnicas e Escolas Comerciais, passou a trabalhar na unidade a amálgama da juventude, massa humana, como seres indistintos, indistinguíveis, uniformes e conformes.
Em vez de fazer-se evoluir a Escola “tradicional”, construiu-se sob as suas ruínas, canibalizou-se, e o edifício actual ficou doente, doente. O remédio foi-se ministrando em implacáveis cortejos de remendos, consertos, arranjos, reparações, refazimentos, e revolvimentos, a que se foi dando o eufemístico nome de Reforma do Ensino, do qual redundou o actual estado de aparente “baixo nível”. No fim, a Escola Pública passou mesmo a não servir todos, discriminando quem não pode, na medida em que só “nivela” os seus, com explicações, quem pode. Esta mudança criou a verdadeira escola da desigualdade. Este é o juízo concorde dos ensinantes apaixonados e preocupados chefes de família.
 

Chegam-me dos mestres e professores ser a Reforma de bem intencionados pedagogistas, peritos em matérias, circulares, formulários, tabelas e estatísticas, que, empreendendo a grande batalha, na sua altivez, munidos de patas traseiras, erguendo-se, multiplicaram conteúdos, alteraram métodos e exames, sem ligar ao “bom senso” do experimentado “mestre-escola”. A este propósito o insigne escritor Italiano, Jiovanni Papini, (a Itália do pós guerra passou por tais Reformas) disse - “à teimosia dos estultos de estirpe asinina só resta educá-los ou suportá-los. O primeiro partido é desesperado o segundo penosíssimo”.
É este o resultado do caminho aziago escolhido: muitos alunos consideram o ensino um fardo sem préstimo, como os estômagos jovens que, com excessiva abundância de alimentos, em vez do prazer da saciedade experimentam apenas a náusea, e ainda um bom número de mestres, roubados das suas forças físicas e intelectuais, sentem-se exaustos e desonrados. Assim, o abandono.
O objectivo de toda a Escola é inspirar o amor pelo saber e fazer o jovem saber aprender de per si, desiderato possível como sejam oferecidas escolhas sérias de clara orientação ao futuro profissional dos alunos conquanto o professor não esteja oprimido por programas esgotantes e não deixe de ver ser elevada a sua dignidade social.
Parece ser mesquinho confiar as criaturas mais preciosas da Pátria a professores condenados a honorários avaros. Os ensinantes de todos os graus deveriam ser colocados a par dos mais altos servidores da Pátria, só assim seria lícito esperar a tranquilidade de ânimo para um verdadeiro apostolado espiritual do docente à Escola, dessa forma, os heróicos professores de hoje veriam, em vez de alunos saturados, alunos alegres e ardentes enamorados do saber, e nós, em vez de alunos e mestres, antagonistas exaustos de telemóvel em riste, veríamos uns e outros, satisfeitos e recompensados. O sucesso viria por acréscimo.
Exortação ao professor
O existente de hoje, como discorro, está duplamente condenado, pelo que já não é e pelo que ainda não é, como que ceifamos onde não se havia semeado, e receamos que não se vindimará nas vinhas mal aprumadas de hoje. Não adianta pagar sem resignação e receber sem gratidão os débitos e créditos que a geração pretérita fixa, adianta sim, acima de tudo, sermos capazes de sonhar e encarar o sonho encarecido na aberta claridade da vigília, não esquecendo que o próprio universo é o perene e sublime sonho de Deus.
Assumi, pois, ó lentes desta Pátria, a exortação que veio dos confins da prístina Helénica Grécia - Enquanto vives, esplende.


Contributo enviado por: José Fernandes Basto



publicado por GP/PSD às 08:13 | link do post | comentar

1 comentário:
De Viana a 5 de Outubro de 2008 às 11:12
Há no PSD quem defenda os professores... Este blogue vai em debate aceso. parabéns pela iniciativa.


Comentar post

Temas

100% aprovações

apresentações

avaliação das escolas

avaliação: notas dos alunos

clipping

contributos

custos com retenções

debate

declaração

estatuto do aluno

facilidade dos exames

facilitismo

fim do exame de filosofia

opinião

perguntas

provas globais

rankings

resultados sem comparabilidade

todas as tags

Posts recentes

Pedro Duarte interpela a ...

Escolas estão a aplicar d...

PSD pede apreciação parla...

Ministra no Parlamento se...

Ministra da Educação diz ...

Ministério afirma que sem...

Ministério não considerou...

PSD confrontada Ministra ...

arquivos

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

links
.